quinta-feira, 3 de agosto de 2006

Easy Rider Libanês


O primeiro-ministro Libanês, Fouad Siniora, disse claramente que o Hisbolá tem que se desarmar, porque "se transformou em um Estado dentro do Estado", e pediu ajuda à comunidade internacional. O líder druso, Walid Jumblatt, ex-aliado de Damasco, foi ainda mais longe: criticou abertamente o líder do Hisbolá, Hassan Nasrallah, por dizer que o grupo trava uma batalha em nome da Nação Árabe, e afirmou que o Líbano "tem o direito a discutir a decisão, porque a guerra e a paz não são monopólios do Hesbolá". Ele concluiu dizendo que "Não é o momento de discutir quem começou a guerra. O que o Hisbolá deve saber é que por causa de sua ação o país voltou a ser arrasado, esta é a conseqüência que devem analisar".

Cabe ainda salientar que vários líderes libaneses, incluindo o dirigente druso Walid Jumblatt, vincularam o regime xiita do Irã e a Síria, à captura de dois soldados israelenses pelo Hisbolá, o que detonou a atual crise no Oriente Médio, no último dia 12. O dirigente druso foi direto ao afirmar que o Irã foi o país que deu a ordem ao Hisbolá para capturar os dois soldados, e desviar assim a atenção do mundo sobre o caso nuclear.

Um comentário:

mari disse...

todo esse trabalho que vens fazendo está gerando frutos bem suculentos. gosto de ler as reportagens que escolhes, porque elas têm concisão de conteúdo em um simples passar de olhos.
as imagens, por sua vez, permitem que o leitor inteire-se imageticamente do que se está lendo, tornando a leitura, dessa forma, mais intensa e palatável.

parabéns, fábio, por tua mais nova e poderosa aquisição. que a verdade aqui colocada por tuas mãos se dissemine aos quatro ventos do mundo semeando justiça, nada mais do que justiça.

Chai Israel Chai.